Conversinha Fashion » Pinterest
29 março 2012
Tudo é detalhe

Ideias para decorar com coleções ou peças de valor sentimental

Tudo pode se transformar em objeto de decoração para a casa ou escritório. Além de coleções e mimos que são pura lembrança, os objetos da casa podem também gerar um bom efeito estético, além de cumprirem suas funções mais básicas e esperadas.

Roupas podem ser guardadas e armazenadas como preciosas peças de porcelana, ou mesmo como tesouros cheios de história. Para tal, armários transparentes ou cabideiros abertos, colocados em um canto, são uma boa opção.

O efeito de expor as peças de maior destaque no guarda-roupa é super interessante; o mesmo vale para aqueles itens que são usados apenas em ocasiões especiais, entre casacos, vestidos e outras peças luxuosas ou diferenciadas. Os acessórios, por sua vez, podem funcionar super bem aplicados em paredes ou dentro de molduras, como obras de arte.

No mais, livros, perfumes e outros objetos do estilo são também uma boa inspiração. A questão é aproveitar tudo o que você gosta, e por alguma razão coleciona, para deixar o local mais personalizado. 

  • %
17 fevereiro 2012
Um pouco de exagero

Não há mal no exagero e não há nada de inadequado em amar um pouquinho de confusão visual

Sabe a história de que a decoração de nossa casa é um reflexo do que somos e gostamos?! Pois bem, nem sempre somos adeptos a um estilo clean, limpo, leve, delicado e suave. Por vezes gostamos de algum exagero, de alguma forma de extravagância que faz com que o ambiente, ou o visual, fique um pouco mais carregado. Nada mal nisso.

Esse acúmulo de informação faz parte da construção da personalidade de quem viver por ali e pode gerar ótimos resultados em se tratando de decoração. Basta cuidar, ou observar, para que certos detalhes como harmonia e conjunto caminhem juntos para que o exagero de fato funcione.

Por vezes um grande número de cores, ou um amplo volume de formas e complementos, são capazes de gerar certa poluição visual. No entanto, essa poluição visual pode ser interessante se reúne elementos e detalhes que deixam o morador alegre. Não é isso que importa?! Há como encontrar beleza em qualquer tipo de ambiente, de inspiração, mas para tal é preciso estar aberto e saber formas e macetes de potencializar uma ideia e, assim tirar o máximo dela. Jogar tudo em algum lugar, de qualquer jeito, acaba transformando a referência em bagunça. Exagero e bagunça são histórias bem diferentes.

São quadros grandes que se misturam a elementos de iluminação e conversam com prateleiras decoradas, longe das linhas lisas e limpas. São tetos rebaixados com detalhes e marcas diferentes, complementados por pisos coloriso ou tapetes que se misturam a cadeiras e sofás forrados com cores ou estampas vibrantes. São, ainda, flores que disputam espaço com elementos tecnológicos ou mesmo murais repletos de ideias e recortes interessantes, tirando das gavetas coisas legais que, por uma ou outra razão, ficam guardadas e escondidas em um local que deve ser considerado um lar e não apenas uma página de revista de decoração… E não me canso de repetir isso por achar que é mais do que verdade! =)

  • %
05 fevereiro 2012
Borgony, vinho, borgonha

Extremamente fácil de usar, e combinar, o borgonha é a cor da vez

Sabemos que a moda sempre inventa, e reinventa, nomes para formas, cores, peças ou modelagens que já usamos há algum tempo atrás. Para os mais jovens, a existência de certas referências é até mesmo desconhecida, mas basta uma rápida conversa com qualquer pessoa de outra geração (ou amante de história da moda) para descobrir que aquilo que hoje é tão atual já foi sucesso há décadas atrás.

A cor do inverno, o borgonha (burgundy), é um tom de vinho bem fechado, que lembra bastante o antigo bonina… nome hoje pouco usado para esse vermelho profundo, pesado, dramático. O tom lembra sensualidade, assim como acontece com qualquer outra cor que passa pela casa dor vermelhos. Combinar é relativamente fácil, sendo que existem formas distintas de valorizar o look utilizando alguma peça dessa cor.

Mas, calma lá. Ainda estamos longe do inverno e podemos aproveitar a cor já no verão. Entre calças ou camisas o tom aparece nas mais diversas opções existentes no guarda-roupa – até mesmo nos acessórios, incluindo tons de pedras para brincos ou colares.

A mistura com preto ou branco é clássica e bem interessante. A composição, entre o borgonha e o preto (ou branco), ou mesmo o mix com as três cores, garante um look elegante, sendo que quando o branco é colocado como elemento principal o visual fica mais leve, enquanto o preto deixa o look um pouco mais dramático. Essa orientação, aliás, vale para qualquer tipo de composição.

A aplicação tom sobre tom também é muito interessante, e funciona para deixar o look menos fechado, menos sério. É ótima opção para as garotas jovens ou mesmo para as pessoas que gostam do look um pouco mais alegre. Utilize tons de rosa ou roxo, ou mesmo o vermelho puro, para brincar com essa ideia.

Entre outras opções, vale jogar no borgonha com bege, ou tons de creme, ou mesmo o borgonha com verde. A ideia pode parecer estranha, mas funciona muito bem. Os tons são quase que complementares no círculo cromático e com isso  gera uma composição bem legal.

O borgonha é um tom feminino e cabe muito bem no ambiente profissional, seja mais ou menos formal, pois é elegante por natureza. Ou seja: pedida certa para todas as ocasiões.

31 janeiro 2012
Calça estampada, arrisca?

Chamativa ela pode ser a próxima tendência a mudar suas ideias e dar vida ao seu guarda-roupa

Entre blogueiras e blogs de street style a peça aparece repetidas vezes. Nas lojas, também já é possível encontrar calças estampadas que podem sim ser levados para a “vida real”, sem colocar em risco a harmonia da silhueta ou mesmo sacrificar o visual do dia-a-dia. Para tal, basta ter uma leve dose de coragem.

Marcante, a calça estampada leva toda a atenção do look para a porção inferior. Com isso, pela teoria, é indicada para mulheres de silhueta triângulo e também para aquelas de proporções equilibradas, com ou sem curvas. No caso das mulheres com grande peso visual no quadril e coxas, vale investir em composições que alonguem o corpo como o todo. Mas, no geral, se a vontade é usar a calça, vale tudo! Sem medo de ser feliz. Afinal, uma peça tão estampada guarda forte toque de personalidade e é capaz de deixar alegre e confiante as mulheres de estilo criativo e/ou ousado – ou mesmo as que amam uma tendência.

No caso das modelagens mais larguinhas, a composição com peças igualmente amplas gera um resultado visual despojado, confortável e totalmente relax. Ponto par quem coloca bem estar como foco. Cores neutras, como branco ou preto, por exemplo, são exemplos fáceis para fechar o look. Se o desejo é um visual um pouco mais requintado, de silhueta alongada e pouco exagero, vale apostar em sapatos de bico fino, com ou sem salto, cavados e delicados, alongando totalmente as pernas. Uma jaqueta, blazer ou cardigan acinturado garante a cintura marcada que pode ser conseguida também com camisas de corte impecável. As camisetas também aparecem como opção, principalmente quando lisas. Um colar grande, exagerado, pode ser o toque final para um visual de editorial de revista.

A mistura de estampas também pode aparecer, na qual listras e bolinhas são detalhes interessantes, pensando na composição com padrões um pouco mais étnicos. Mais do que isso, vale apostar todas as fichas na simplicidade, em looks no qual a calça reina absoluta. Para tal, é preciso ficar de olho na numeração. Um modelo um pouco mais justo, colado no corpo, faz com que a estampa aumente as linhas do corpo mais do que tende a acontecer com calças soltas, largas, que geram aquela mágica confusão visual na qual roupas levemente amplas criam a sensação de emagrecimento visual. Não há como negar, uma calça estampada é pura atitude! Vale o risco.

  • %
24 janeiro 2012
Saia: nem curta, nem longa

Peça clássica no guarda-roupa feminino, a saia com comprimento na altura dos joelhos é curinga

Nem curta e nem longa, a saia de comprimento mediano, que morre próxima a linha dos joelhos, é extremamente interessante. Isso se dá por sua versatilidade, já que ela é útil tanto para o lazer quanto para o trabalho. Por não mostrar demais, a peça serve como referência para mulheres de todas as idades e ganha um tom mais despojado (jovial) ou sério (maduro) dependendo dos complementos.

A silhueta será valorizada pelos complementos, que serão responsáveis por marcar ou disfarçar certas linhas da silhueta. Para um look mais jovial, despojado, as saias (sejam pliassadas, com pregas, recortes, volume ou estampa) podem ser combinadas a camisetas sequinhas, com mensagens ou estampas diversas. A combinação da saia na altura dos joelhos com camisa, por sua vez, vai enviar uma mensagem mais séria, mais fechada, e por isso mais elegante. As regatas, de seda ou de qualquer outro tecido, são limpas o suficiente para permitir o uso da terceira peça ou mesmo um leve excesso nos acessórios.

Falando em comprimento, poucos centímetros fazem toda a diferença Para as mulheres que querem alongar as pernas vale apostar na peça com a cintura um pouco mais alta, enquanto a cintura um pouco mais baixa (ou mesmo uma peça na porção superior de comprimento alongado, até a linha do quadril) cria a sensação de um tronco mais longo. São essas brincadeiras que mudam o resultado final do look.

Assim, coxas grossas, ou cheinhas, pedem por saias que ligeiramente cubram os joelhos, enquanto as silhuetas mais retas podem ser valorizadas por peças um pouco mais volumosas, amplas. É a velha história de volume na parte mais fininha da silhueta e peças secas na parte mais cheinha. Pronto.

Por fim, a dica final e derradeira chega aos pés. Mulheres mais esguias, magrinhas, altas, podem brincar com sapatos com tiras que peguem nos tornozelos ou mesmo modelos abotinados, sem que isso encurte a panturrilha e achate a silhueta. Porém, em caso contrário, vale apostar nos sapatos de tom neutro, gáspea aberta ou mesmo nos modelos com tiras delicadas, finas e algum salto para assim alongar as pernas e afinar visualmente o corpo. Trata-se de um clássico no guarda-roupa feminino que deve ser pensado, em detalhes e aplicações, de acordo com o estilo pessoal e as necessidades da silhueta de quem usa.