Conversinha Fashion » MuseoLarco
31 julho 2011
tesoros del antiguo Perú

Em Lima, Perú, o múseo Larco é a prova da evolução dos povos antigos da região e a materialização, real, de um passado que por pouco não foi esquecido

 

Com uma reunião extremamente rica de objetos, tecidos, roupas e adornos o Larco guarda segredos e mistérios de uma sociedade que, com pouco, realizou muitos feitos e deixou um rastro cultural fortíssimo a ser desvendado e interpretado. Localizado em Pueblo Libre, um distrito de Lima, o museu está em uma casa do século 18, construída acima de uma pirâmide pré-colombiana do 7º século – rodeada por incríveis e premiados jardins. Nele está exposto, em galerias organizadas de forma cronológica, mais de 4 mil peças da história peruana pré-colombiana – com uma das mais complestas coleções de arte, desse padrão, que inclui peças Moche, Nazca, Chimú e Inca. Além disso o Larco Museum  é conhecido, e famoso, por sua galeria de cerâmicas eroticas pré-colombiana.

A ideia de Rafael Larco Hoyle, o arqueólogo fundador do múseu, em 1926, era mostra o desenvolvimento da arte pré-colombiana antes da chegada dos espanhois. Rafael passou sua vida investigando e pesquisando esse tipo de raridade, entre 1901 e 1967. Neste conjunto, para os amantes da moda, um certo ponto chama a atenção. O cuidado e o peso dos tecidos e adornos (das vestimentas, como um todo) mostra como as roupas, ainda como indumentária, sempre possuíram incrível valor. Mais do que forma de cobrir a nudez, mais do que meros enfeites, os itens ligados ao vestuário eram símbolo de status e de pertencimento.

“The value atrributed to textiles by pre-Columbian societies can be compared to the importance given to gold and silver. Textiles served as much more than clothing: they were also a medium for the spreading of religious ideas and for transmitting messages to the next world when they were employed to wrap the mortal remains of the dead. They also served as exquisite gifts for the rulers of these societies, as well as to denote social status.”

Entre os acessórios, adornos, surpreendentes peças em ouro e ossos que chamam atenção pelo cuidado com os detalhes. Extremamente bem talhadas, confeccionadas à mão, essas peças são a prova do domínio dos instrumentos limitados porém eficientes. Já nos tecidos, feitos com técnicas manuais, mais desse cuidado. Os desenhos eram uma representação de hábitos e costumes da sociedade, quase que como um filme da rotina e do dia-a-dia, real ou lúdico, daquele povo junto às suas crenças e ambições. Vale a visita pela herança histórica que o mesmo carrega e pela importância desta dentro da sociedade.

  • %