Conversinha Fashion » CopenhagenStreetStyle
20 outubro 2010
É saia… e é longa

A ideia de uma saia longa fora do contexto festivo ou do toque hippie, camponesa, temático era até pouco tempo atrás algo pouco explorado. Acontece que hoje a história é outra e as saias longas chegaram com tudo seduzindo pelas evidências de conforto e feminilidade.

Como nem tudo que é novidade chega com manual de instruções vale se atentar para algumas fatalidades visuais que podem ser geradas por essa peça que já assusta pelo excesso de tecido e pelas referências batidas e mal vistas. Longe do visual campestre o que se deseja é um toque de casualidade despretensiosa com perfume elegante.

A saia não deve ter volume. Indiferente da silhueta, do corpo perfeito, magro ou longo vale saber que a saia longa com volume remete diretamente a ideia de uma fada saltitando pelo jardim, ou mesmo uma princesa em dia de gente. As linhas devem ser basicamente verticais, com peso cadenciado e não concentrado no quadril ou na base. Em todas as imagens é possível observar essa distribuição quase que uniforme de tecido, até mesmo quando pregas geram camadas invertidas (como uma cortina). Nesse detalhe o truque que vai equilibrar ou valorizar sua silhueta; para amenizar peso visual busque saias mais secas, que não apertem no quadril e para agregar volume trabalhe com pregas suaves e bem distribuídas por toda a circunferência.

No tópico comprimento nada de buscar algo que arraste no chão, varrendo a calçada. Um leve encurtamento deixa a peça mais moderninha, mesmo que estejam a mostra só uma parte do solado do calçado. O toque final fica por conta dos complementos, que são os responsáveis por fazer a compensação de peso e adicionar mais diferenciação. Marcar a cintura não é obrigação, mas algo na porção superior deveser realçado ou delineado para evitar o efeito saco de batatas; que seja abaixo do busto, na linha de cintura ou no quadril. Uma sobreposição ou mesmo um colar podem gerar esse impacto visual.

O tecido da saia é outro elemento de grande importância. Uma peça em material maleável e leve ao extremo marca cada detalhe do corpo, o que não acontece com um pano um pouco mais duro ou encorpado; em compensação uma estrutura armada por encaixotar uma silhueta delicada.

Fora da imagem toda soltinha e fluida da saia longa com camiseta molinha é interessante explorar o caminho da saia um pouco mais marcada, de cintura no lugar e peça superior utilizada por dentro. Ganha-se longas pernas, cintura fina e tronco em evidência. Os ajustes finais podem ficar por conta dos acessórios e do jogo de cores, enquanto você lança mão de uma tendência sem necessariamente cair no visual batido e reproduzido a exaustão.

05 outubro 2010
Chuva de Imagens!

Inspiração nunca é demais oferecendo direcionamentos para brincar no dia-a-dia com o que se tem no guarda-roupa. Porque se a roupa é toda de tom neutro vale jogar com reunião de texturas, trabalhando não só com superfícies de toque semelhante. Essa junção de acabamentos faz reviver peças básicas que em outras composições podem funcionar como base para maiores ou diferentes ousadias.

E se as peças são básicas e de textura semelhante a ideia é jogar com pontos de cor que não precisam estar isolados em um só local do look. Misturar em contraste ou trabalhar com tons complementares amarra a imagem com aquela leva ousadia que trás a tona diferenciação sem exagero.

Se a vontade é de mudar bastante pode-se pensar em reunir a mistura de texturas com a brincadeira de cores. Dependendo da modelagem das peças e da base (silhueta) esse resultado garante uma multiplicação eterna de looks através do jogo alternado de troca-troca entre um ou outro detalhe.

15 setembro 2010
Ooops!

Look cheio de pequenos erros e descuidos que desvalorizam muito o visual da ótima garota. Começamos pelo cabelo que funcionaria num look bem mais moderno e arrojado; nessa composição ficou muito ‘maria mijona’. Vemos no casaco um tamanho bem grandinho onde a linha de ombro está super caída, arredondando os mesmos. O vestido é um desastre por completo, precisando de uma total reforma para funcionar. Legal seria se a cintura fosse transferida para um corte império ou mesmo se o efeito blusê fosse refeito e o comprimento encurtado para um dois palmos acima dos joelhos. A sandália franciscana reforça o caráter sem graça do visual num tom puritano e contido ao extremo. É possível ser discreto ou sereno com roupas que sirvam bem. Nesse caso um claro exemplo de tons de bege aplicados de forma totalmente caída e triste.

  • %
14 setembro 2010
Todo mundo ficou bege

A febre do bege pegou com vontade, salpicando ideias bem distintas para a aplicação da cor. O que antes era sinônimo de imagem apática e sem graça virou reflexo de elegância, em meio as outras muitas outras opções de cor que vemos por ai.

Do look bege total ao bege como complemento o tom remete a tudo que é natural, puro, deixando o visual mais real e nem por isso menos interessante. Tom sobre tom de beges e mistura de nude e bege puro duplicando a força do tom. Tem bege pra todo mundo, contrastando mais ou menos com a pele, mas a essência é essa opacidade que até ontem super estranhavamos e hoje não conseguimos deixar de desejar. Mudam-se os tempo, mudam-se as vontades – como já dizia Camões.

O jogo pode ser de formas distintas. Na aplicação de bege junto a outra cor viva é fato que a cor mais vibrante vai sobressair, ressaltando tal porção da silhueta; na aplicação junto a outros tons de bege vê-se a dominação do tom mais luminoso, pela cor  ou pela textura do tecido; no bege total a valorização da forma, da modelagem ou da estrutura corporal.

Seja como for vale perceber que nessa mistura de cores neutras e naturais a peça em si fica em evidência, o que pode ser ótimo como forma de alimentar um bom corte ou mesmo como maneira para fazer sobressair linhas de face ou silhueta. Haja segurança.

13 setembro 2010
Visual que conversa

As vezes uma peça, ou um detalhe dela, parece sair do tecido e se espalhar pelo restante do look. É o que acontece aqui onde o cabelo preso, com leves cachos, lembra bem a estrutura do floral que se mistura muito delicadamente aos traços suaves e arredondados da garota. Sabe quando a roupa parece ter sido feita sob medida? Melhor ainda se cores e estampas enviarem o mesmo sinal.

Vale ainda notar como a estampa consegue representar perfeitamente a essência de sua inspiração, num floral vivo e intenso como a própria flor – que em seus detalhes possui linhas, texturas, misturas de cores… assim como nossa imagem. Poético, não?!

A harmonia ou reunião entre elementos de um look e sua relação com quem usa não é uma obrigatoriedade ou receita de sucesso, pelo contrário. Pode, ou não, funcionar. A lógica é simples: o visual ficará interessante se as peças forem igualmente interessantes, ressaltando pontos bons da imagem; caso contrário o efeito pode não ser tão legal… ou pode ficar óbvio demais. Sem neuras, apenas observações.

  • %