Conversinha Fashion » Arquivos » Sobre viver, na prática, o desapego #VidaReal
17 agosto 2016
Sobre viver, na prática, o desapego #VidaReal

Ser desapegado é mais que uma escolha, é um estilo de vida. Questão de alinhar prioridades e abrir espaço físico e mental para o novo. De optar pelo que ainda é útil, funciona e é bom para você.

desapegue

Por vezes, abrir mão de algumas peças do guarda-roupa requer mais que vontade e esforço. É preciso coragem e motivação. O desapego pode ser motivado tanto pela necessidade de liberar espaço entre os cabides, quanto pelo acúmulo desastroso de itens que já não combinam com sua vida, com seu corpo… roupas que não contam a SUA história.

O apego não é mal em si… mas pode ficar reservado ao que tem real importância, tudo o que não é material. E tudo é substituível. Principalmente o velho que pode dar lugar ao novo, mais atual e bem mais adequado.

desapegue2

Mas, quais razões podem motivar o desapego?

1. A roupa não serve mais, que triste. Se ela não cabe, por estar grande ou pequena, vale tirar esse peso emocional da sua vista. Ficar guardando uma roupa que não é utilizada, por mero capricho ou sonho, é o mesmo que alimentar o monstrinho do desgaste psicológico. Dia após dia você se depara com aquela roupa e lembra que um dia você ficava super bem nela… mas, são águas passadas. Corra para a primeira loja que você gosta, compre algo que lhe sirva bem, e comece a analisar quais seus objetivos futuros: continuar com a silhueta atual ou planejar uma perda de peso, ganho de curvas, ou o que for lhe fazer feliz.

2. Livre-se do excesso fazendo uma boa ação e passe para alguém que vá usar com mais entusiamo aquelas roupas que você já não gosta mais. Aquelas gavetas lotadas, nas quais você não encontra nada do que precisa, podem se transformar em gavetas com poucas peças incríveis! Os cabides atolados de roupas, escondendo peças por baixo de peças, também podem ser esquecidos. Assim como as portas de guarda-roupa que quase não fecham, com peças que têm até mesmo etiqueta. Qual a necessidade de tudo isso? Nenhuma. Não é que precisamos de pouco; a questão é que precisamos do que é suficiente.

Simples, não? Mais que simples é possível! São dois pequenos detalhes que, de maneira mais que incrível, mudam e melhoram a vida de qualquer pessoa. Viver sem exageros é uma arte. E por meio dela  passamos a curtir mais o que realmente importa. Até a compra passa a ter mais valor, passa a ter um significado maior, mais divertido, que acrescenta mais. Se você faz novas aquisições todos os dias, ou toda semana, isso acaba se transformando em rotina e não mais em algo que lhe faz suspirar. Aquele brilho nos olhos pela roupa nova! Ou então as compras são tantas que ficamos sempre com o peso na consciência de não conseguir, nunca, usar tudo o que temos. E aí que a história vira uma bola de neve, porque logo depois você já vai estar sonhando com coisas mais atuais… e então são mais compras, e compras e compras, e gastos sem fim. E onde está o espaço para guardar tudo isso? Caixas? Um depósito? Chega.

Desafio de desapego

– Fique 21 dias sem comprar nada e perceba que sim, você consegue sobreviver

– Comece a anotar de quais peças você sentiu falta durante esse tempo

– Após as três semanas, faça uma limpeza geral no guarda-roupa. Livre-se de roupas velhas

– Separe tudo o que não usa, ou não usou nos últimos dois meses. Foque em roupas do dia-a-dia

– Dê atenção as peças que fazem parte de sua rotina. O que nelas se repete? Por que elas te encantam?

– Faça uma lista completa, porém coesa, de compras futuras. Pense em tudo o que precisa

– Estabeleça um orçamento mensal fixo de gastos com roupas/acessórios e fique firme nele.

– Seja forte

É uma escolha pessoal, pode até ser uma momento. E é quase um estilo de vida ser desapegado, ou nunca se apegar. Sem certos ou errados trata-se até mesmo de uma questão de espaço, possibilidades e prioridades.

Post revisado (publicado originalmente em 8 de agosto de 2011)

  • %
Deixe um comentário em "Sobre viver, na prática, o desapego #VidaReal"

Comentário Fechados.