Conversinha Fashion » 2014 » março
25 março 2014
Parque de emoções

A vida é como uma montanha russa na qual devemos curtir as sensações de cada volta, como se fosse a primeira – e a última

wander

Tudo bem. Seria clichê dizer que a vida é uma montanha russa de emoções, mas alguém nega que ela seja?! Com seus altos e baixos, colecionamos sentimentos dos mais diversos, indo do riso ao choro num piscar de olhos. Ao olhar para trás, dias, meses e anos parecem ter passado em alta velocidade. Tudo aquilo que foi responsável pelo que fomos, somos e queremos ser. No entanto, a volta dessa montanha russa chamada vida nunca acaba. Ou, ao menos, parece não acabar. É como se estivéssemos presos no assento e, ao mesmo tempo, fossemos capazes de assistir o passeio na primeira fileira – como a estreia de filme. Só que nós mesmo somos parte do comédia dramática – cada um seu próprio protagonista.

Mas, o que a vida tem de normal? Nada.

Não dá pra se acomodar. Se pararmos de nos emocionar ou nos comover com as sensações que nos atingem, é porque, provavelmente, há algo de errado com nossa maneira de viver. Estaremos tão desligados ou tão plugados no modo automático que nem mesmo conseguimos reparar que o legal da vida é sentir cada frio na barriga, cada medo, cada alegria extrema seguida de receio pelo que vem no dia seguinte?! Por mais que de tempos em tempos o movimento cíclico das emoções pareça dizer que vem coisa boa, e depois vem coisa ruim, tudo isso nunca permanece da mesma maneira. Há sempre uma surpresa. Um detalhe na história que muda tudo. E ai é que está: somos capazes, aliás, os grandes responsáveis por fazer diferente e por alterar nossa história. Basta lançar mão das ferramentas necessárias para tal. Ou seja, ter consigo o seu próprio roteiro, fazer as alterações que parecem ser necessárias, riscar o que deve ser riscado, acrescentar algo que se mostra essencial e pronto! Daí, resta aguardar as cenas do próximo capítulo e curtir cada volta nesse parque de emoções que é a vida.

  • %
21 março 2014
O volume das emoções

Muito além do caos, há um raio de sol com uma resposta

silence

Buzina que assusta aqui, telefone que toca ali, uma música inesperada surge e, de repente, o silêncio nunca se fez tão necessário. A urgência de não escutar nada, de ter um mero minuto de paz, se faz fundamental para que seja possível dar ouvido à seus próprios pensamentos e colocar em ordem as vozes que ficam perdidas em meio a desordem do dia a dia.

A rotina consome. Ela suga a pouca inspiração que temos. E, se o entusiasmo do momento para criar ou pensar algo novo desaparece no tumulto dos sons urbanos, fica difícil voltar atrás. A ideia que parecia tão boa, tão única, tão promissora… se esvai.

Passar um dia longe do celular, da televisão, do computador, do trânsito, das multidões e de todo o caos que, por vezes, irrita tanto, faz toda a diferença. É como se após algumas horas de abstinência da confusão da vida real a tormenta cessasse, perdendo o seu poder devastador que assusta, chateia, maltrata…

Para alguns, o silêncio é um dos melhores sons – é como o som das ideias, das possibilidades colocadas em ordem, loucas para serem exploradas. O silêncio, aliás, pode ser encarado como a palavra que pede para ser organizada. É o sentimento que faz um convite para ser exteriorizado, é aquele algo que está preso lá no íntimo que encontra uma maneira de se mostrar, mesmo que tenha ficado (por tanto tempo) oculto, preso e sufocado. É a solução que aparece, a dúvida que se revela boba, o medo que perde a força e, no lugar, surge a esperança e a perspectiva de um novo dia promissor. Com a certeza de que além do caos, há uma raio de sol com uma resposta.

Diminuir o volume da vida pode acabar sendo uma maneira de aumentar o volume das emoções. Para que seja possível dar ouvido à seus próprios pensamentos e colocar em ordem as vozes que ficam abafadas em meio a desordem do dia a dia.

  • %
19 março 2014
Feminilidade na saia midi

Peça com comprimento logo abaixo dos joelhos é destaque

midi_1

Com comprimento logo abaixo dos joelhos e muita feminilidade, a saia midi conquistou espaço no coração e no guarda-roupa das mulheres nas últimas temporadas. Tudo indica que no inverno ela continuará com força total. Mas, muito além dos modismos, vale encarar a peça como uma ótima alternativa para quem quer conforto e charme com fortes doses de elegância.

midi_2

Mente quem diz que para usar a saia midi é obrigatório complementar com sapatos de salto alto. Tal regra, como tantas outras, não existe. Vale explorar sapatilhas e sandálias abertas e leves. Se a preocupação for quebrar as proporções da silhueta, é possível focar em combinações tom sobre tom ou monocromáticas, o que potencializa a linha vertical que a saia midi gera.

midi_3

Fica fácil perceber que a saia midi, por si só, alonga muito a porção inferior do corpo da mulher – com destaque para o quadril. Destaque para a modelarem em A. Isso é ótimo para quem quer disfarçar a região do bumbum e culote. Com a cintura um pouco mais alta e blusa usada para dentro, o efeito fica muito mais marcante. Já combinada com tricots ou outras peças volumosas na porção superior, o resultado é de equilíbrio de peso visual e fica igualmente legal.

midi_4

A saia midi funciona de maneiras diversas. Para o inverno, uma ideia interessante é apostar com botas de cano longo e sobreposições de jaqueta. Para o dia a dia, pede para ser explorada. Sem medo.

  • %
12 março 2014
5 maneiras (e motivos) para desconectar do Facebook

fb_2

A rede social mais famosa é também a que mais suga o tempo e as energias dos seus navegadores. É impossível negar que o Facebook é responsável pela procrastinação de muitos, alimenta a inveja diária de tantos outros e, entre vários males, oferece material suficiente para que todos saibam sobre a sua vida muito mais do que você gostaria que soubessem. Já pensou que seria legal desconectar um pouco?!

1. Priorize notícias de verdade. Para muitos, quase todos, o Facebook é a primeira página acessada pela manhã. E, o que já nem surpreende, é que a quantidade de notícias ou informações realmente úteis ou interessantes é pouca ou chega a ser nula. Vale trocar o despertar com Mark Zuckerberg por alguma outra alternativa mais útil ou estimulante (do tipo, saber o que está acontecendo no mundo a partir de um site de notícias).

2. De verdade, pare de perder tempo. Navegamos tanto tempo nas redes sociais – e principalmente no danado do FB – que deixamos de fazer coisas importantes, essenciais. O trabalho vai ficando para mais tarde, o estudo urgente fica para depois e isso gera um efeito cascata. Sejamos sinceros: precisamos mesmo acompanhar a vida alheia?!

3. Não inveje uma vida virtual. E então, nessa onda de perder o seu precioso tempo acompanhando as atualizações dos amigos, conhecidos e nem tão amigos assim, acabamos nos deparando com imagens maravilhosas de uma vida perfeita. Vale lembrar que cada pessoa escolhe o que vai postar (seleciona a melhor foto, a melhor frase, a abordagem mais legal para o tema em questão) e tudo o que ali aparece, tem pouco de real. Por muitas vezes, sua pacata vida é muito mais feliz e completa do que o dia a dia de quem se esforça demais para parecer feliz no Facebook.

4. Não se abra tanto. Além de não ser do interesse geral, não é nem um pouco esperto contar tudo e mais um pouco sobre a sua intimidade para uma plateia de conhecidos virtuais. Fora que, nossos problemas e nossas conquistas pouco interessam aos demais. Maturidade é saber viver e ser feliz em seu próprio mundo, com sua própria realidade.

5. Lembre-se de que há uma vida lá fora. O mundo virtual engana e cria a sensação de que é tão importante quanto o mundo real. E o FB tem um talento especial para isso! No entanto, mais importante do que se conectar através de uma tela é experimentar de verdade o que está acontecendo. Ao invés de acompanhar as festas, os lugares, os destinos via rede social, é mais legal vivenciar de verdade tal experiência – sem se sentir na obrigação viciada de dar satisfações ao seu grupo de amigos (online) sobre o que, onde e quando você fez e faz. Poste menos, curta mais.

fb_1

Bons motivos para navegar, com parcimônia, pelo Facebook

1. Fique de olho nas notícias. Acompanhar as notícias compartilhadas pelos seus amigos e pelos sites que você curte na rede social é muito fácil. Afinal, o FB para muitos funciona como um agregador de novidades e estamos sempre descobrindo um blog novo ou um site interessante para seguir.

2. Encontre ou reencontre amigos. Sabe aquelas pessoas que você conhece ou conheceu, mas perdeu o contato por alguma razão?! Nada mais prático que o FB para conversar um pouco, colocar as novas em dia, compartilhar fotos e manter contato – ainda que superficial.

  • %
10 março 2014
Chuva de imagens

 Charmoso ao extremo, o chapéu é um desses acessórios que merece mais atenção e uma chance no visual

hat_1

A moda permite várias ousadias e com a aproximação do inverno, um acessório marcante e muito interessante ganha vez. O chapéu é, muitas vezes, considerado ousado ao extremo ou difícil de usar. No entanto, basta um pouco de coragem para levar para para as ruas algo que é diferente na medida. Já pensou?!

hat_2

Existem modelos diversos. Quanto maiores, mais chamativos eles são – claro. O legal é pensar na peça para complementar produções casuais ou mesmo looks arrumadinhos que foram pensados para enfrentar as ruas. A função é proteger o rosto e os cabelos do vento, do frio e, também, daquele sol incômodo do inverno (extremamente claro).

hat_3

A textura aveludada do chapéu fica ainda mais requintada quando combinada a casacos, botas de cano longo e peças de couro. Para quebrar um pouco o tom e deixar o look despojado, vale apostar em peças jeans.

hat_4

Uma fita amarrada no chapéu um mesmo um lenço estrategicamente aplicado muda o efeito do acessório. E, se combinado a outros acessórios típicos do inverno – como pashiminas e echarpes, fica muito legal. A sobreposição deixa o look ainda mais estiloso e é perfeito para quem sabe segurar uma produção trabalhada.

hat_5

Para as que querem apostar no chapéu, sem ousar demais, o truque é inserir o acessório em composições limpas, discretas, e apostar nos modelos menores e mais tradicionais. Vale lembrar – e perceber pelas referências – que uma aba curvilínea delineia o rosto, faz um mega charme e dá um toque extra de feminilidade no visual. Afinal, pra que se importar com o que os outros estão pensando?! Vamos usar!

  • %