Conversinha Fashion » 2014 » fevereiro
06 fevereiro 2014
Consuma menos e viva mais

Desapegar do hábito viciado de comprar para preencher vazios é um exercício que pode gerar uma economia que se transforma em outras grandes, e definitivas, conquistas na forma de aquisições

consumo

Já parou para pensar que seus hábitos de compra podem estar minando suas chances de ter ou conquistar algo maior?! São as pequenas aquisições do dia-a-dia, aquilo que adquirimos sem nem mesmo pensar – ou tão pouco precisar – que derrubam nosso orçamento e, com isso, enfraquecem nossas economias. Sem estabelecer prioridades, decidir o que importa de verdade e abrir mão de bens de consumo por vezes não tão úteis, pode ficar difícil chegar à algo um pouco maior e mais palpável. Trata-se de focar naquelas coisas que marcam a vida, como fazer uma viagem ou ter um lugar para chamar de seu. Existem coisas mais importantes do que viver entre acúmulos de pequenas tranqueiras, que geram um prazer instantâneo que logo passa e pouco agrega.

Quando tudo se transforma em consumo, acabamos fragilizados, envolvidos por um desejo constante de ter para ser. No entanto, a verdade, na essência, é que tudo isso não passa de uma situação eminente da sociedade atual, que percebe que há uma demanda para transformar carências em produtos e aproveita de tal para lucrar! Disso nós já sabemos. Porém, fazemos algo para nos livrarmos de tal escravidão?! O que podemos, então, é atentar para o quanto estamos sendo levados pelo sistema e o quanto realmente queremos, precisamos, e/ou temos que ter aquele algo. Com tal reflexão, poupamos não apenas recursos financeiros, mas também os emocionais, que perdemos ao nos desgastar sofrendo por não poder ter algo – algo que nos sugestionamos a ter simplesmente porque o outro tem.

Ao se desapegar do hábito viciado de comprar para preencher vazios ou para se enquadrar a um padrão qualquer, o que resta é uma economia que pode ser investida em outras coisas. Afinal, o consumismo viciado e desenfreado pode ser transformado em aquisições planejadas e, por sua vez, inesquecíveis.

  • %
04 fevereiro 2014
Chuva de imagens

O body ganhou força e já pode ser considerado a peça da estação: vale a pena ter e usar?!

body_4

Usado longe dos looks praianos e fora da piscina, o maiô já é velho companheiro de shorts jeans e saias delicadas. Com efeito supersexy e revelador, consegue salientar a boa forma e pode ser base para looks frescos e femininos. No entanto, em combinações trabalhadas e com complementos requintados o body não convence. E ai: vale a pena investir na peça que, provavelmente, terá curto prazo de duração no seu guarda-roupa?!

body_1

Com mangas longas e costas 100% reveladas, o body gera um resultado muito legal. Acontece que como o ponto “revelado” é inusitado, e passa longe do decote padrão, acaba sendo sensual sem ser vulgar. Para tal, claro, é importante lembrar que a peça complemento – que pode ser uma saia, um short ou até mesmo uma calça – não precisa, e nem deve, ser justíssima para gerar um resultado bacana. Na verdade, como o body ou o maiô já são feitos de tecidos colantes, eles pedem como par uma peça mais soltinha. Truque perfeito, também, para não marcar dobrinhas ou a barriguinha.

body_2

Outro truque legal é escolher estrategicamente a estampa. Algumas combinações de formas e cores conseguem desenhar as curvas da silhueta, marcar a cintura, ressaltar os seios. O mesmo com os babados nas costas, franzidos no decote e dobras na modelagem… tudo isso gera um efeito que pode trazer bons resultados. E é em tal ponto que mora a diferenciação de um body legal para um body qualquer. O modelo muito seco, básico, acaba tendo uma aparência muito “piscina”. Os modelos mais inusitados, com algo de diferente, por sua vez, são mais moderninhos e, dessa forma, mais interessantes.

body_3

Com um decote profundo, o body acaba revelando um pouco mais do corpo e atiça a curiosidade –  o que é legal. Truque ideal para looks de noite do tipo festas na piscina ou outros momentos de descontração que tenham um cenário mais descontraído. Para complementar, vale segurar a mão nos acessórios e deixar a silhueta (por si só) chamar atenção. Talvez, a receita seja não pensar nos bodies como peças a a serem usadas em superproduções. Querendo ou não, o resultado terá sempre uma pegada verão. E, sim! A tendência pode ser perfeitamente aproveitada no inverno. Com a modelagem ajustada, a peça é base perfeita para sobreposições. Vale arriscar.

  • %