Conversinha Fashion » 2014 » fevereiro
26 fevereiro 2014
O que importa é viver

Coraçõezinhos e joinhas acumulados pouco valem, ou não valem nada… na vida real, o que importa mesmo é sentir e viver

offline

Arruma aqui, ajeita ali e pronto: o momento perfeito foi registrado. Retoca aqui, melhora ali, com algumas alterações até mesmo o amigo virtual mais desconfiado é capaz de acreditar na felicidade fabricada. Por trás do celular, rostos sem graça, pessoas que pouco conversam, o retrato da solidão mascarado por um tempo de multidões solitárias que tentam se encontrar em redes que, por vezes, mais separam do que reúnem.

Não convence. O auge da felicidade registrado e publicado instantaneamente é tal falso como uma uma nota de três reais. A não ser que exista um espectador acompanhado a diversão alheia, há de se ter certeza de que a alegria real é tão gigante, tão pura e genuína, que não merece ser quebrada para ser aprimorada e congelada em fotos impecáveis ou vídeos ensaiados. São essas coisas que nos fazem pensar… a quem queremos enganar, agradar ou invejar quando nos preocupamos mais em dar satisfações a terceiros contando e mostrando sobre nossa vida, do que simplesmente vivendo e compartilhando o que realmente somos?! Como e por que chegamos a esse ponto no qual somos nós tão suscetíveis e carentes de curtidas vestidas de aprovação alheia? Penso que talvez o mais importante aprendizado desta era virtual seja o de se satisfazer com seus próprios sentimentos e emoções, antes mesmo de precisar procurar nos sinais de terceiros uma maneira de se sentir parte da turminha bacana do mundo virtual. Antes de fingir um sorriso, de reorganizar a mesa do café da manha ou simular um drink meramente para postar uma foto no Instagram, vale se deixar levar pelo que faz o seu coração bater mais rápido. A verdade é que os coraçõezinhos e os joinhas que se acumulam nas telas de nossos smartphones e computadores não valem nada – o que vale é viver.

  • %
24 fevereiro 2014
Ooops…!

ooops1

A gente bem sabe que nem todo look de rua é completamente acertado. Algumas combinações estão perdidas por completo enquanto outras podem, com algum ajuste, funcionar na vida real. A questão é: como levar as ideias do street style para a vida real?!

1. Não há nenhum grande problema com a seleção de peças, mas sim com a combinação delas. O volume exagerado na porção superior – efeito do casaco com gola exagerada e a blusa de modelagem inusitada – gera uma confusão visual. Para piorar, a bolsa transpassada leva a atenção para a região. Uma possível e estratégica solução seria apostar em uma blusa mais ajustada.

2. Um mix esquisito que não orna. A botinha, o jeans de cintura alta e o top cropped ficaram perdidos no tempo, o que faz o look ter cara de brechó. Vale pensar no blazer larguinho e alongado usado com calça jeans clássica e sapatilha. Simples e sem chance de erro.

3. Um look quase certo, mas que ficou um pouco pesado pelo uso de uma sandália com tiras grossas. Legal seria pensar numa sapatilha ou uma sandália com tiras finíssimas ou mesmo um salto com gáspea aberta para alongar a parte inferior da silhueta. Outro truque legal poderia ser apostar em uma blusa preta, que puxa uma linha única e longilínea com a cor principal da calça.

  • %
17 fevereiro 2014
6 maneiras de não se desesperar

Sabe aqueles momentos nos quais tudo parece estar indo por água abaixo? Muita calma. Desesperar não é a salvação.

shallpass

1. Liste o que te incomoda. Não adianta se deixar levar pelo medo, pela raiva ou pela vontade de jogar tudo para o alto. Organize os seus pensamentos e faça uma lista do que está te importunando. A partir daí, trabalhe em item por item, buscando maneiras de solucionar um problema por vez.

2. Não confunda os seus sentimentos. É importante evitar  misturar as emoções e os personagens e colocá-los todos em uma mesma situação. Por vezes, aqueles que podem lhe ajudam ou lhe oferecer um ombro amigo acabam sendo afastados pela mania que temos confundir e colocar em um mesmo grupo pessoas que tem e que não tem culpa no que está acontecendo.

3. Não force a barra. Algumas peças não se encaixam e não há o que fazer para mudar a situação sem algumas adaptações mais bruscas ou permanentes. Com isso, dê tempo ao tempo e analise o ambiente. Lembre-se de que tudo é momentâneo.

4. Pense em outras coisas. Leia um livro, assista um filme, escute uma música, pratique alguma atividade física, faça algo que tire o seu pensamento do problema. Relaxe.

5. Lembre-se de que uma hora tudo melhora. A vida é cíclica e tudo passa – seja em um mês, uma semana, ou um ano. No entanto, faça algo. Não se desespere, mas não se acomode.

6. Alimente a positividade. Espalhe pela sua casa e pela sua vida palavras de motivação. Vale colocar, no computador, um fundo de tela com uma frase de impacto, ou colocar na parede do quarto ou do escritório um quadrinho com um pensamento de grande significado para você. Algumas vezes, imagens bonitas e inspiradoras servem até mesmo mais do que palavras. Lembre-se de que um ambiente envolvente, bonito, é capaz de melhorar, ao menos, o astral.

  • %
13 fevereiro 2014
It’s a wrap, por DVF

Vestido envelope celebra 40 anos valorizando a silhueta das mais diversas mulheres

wrap_0

Não é qualquer vestido que consegue a proeza de valorizar a silhueta  de todas as mulheres. Mas o wrap dress – ou vestido envelope – de Diane Von Fustenberg é capaz de marcar a cintura, ressaltar a linha do colo e alongar as formas com elegância e feminilidade na medida. A peça, clássica e atemporal, é item indispensável no guarda-roupa de toda a mulher. O legal é perceber que o vestido possui diversas possibilidades, entre comprimentos e formatos que se alternam na modelagem da peça que literalmente envolve o corpo da mulher.

wrap_1

O vestido envelope clássico, com comprimento na altura dos joelhos, mangas longas, decote em V e amarração lateral, consegue a maravilhosa façanha de esconder as gordurinhas, afinar a cintura e revelar toda a sensualidade da mulher. A saia levemente ampla faz com que a peça não fique vulgar e, querendo ou não, é tudo o que uma mulher pode querer.

wrap_2

No entanto a moda, com o passar dos anos e das décadas, já tratou de reinventar a criação do vestido de DVF. Atualmente é possível encontrar peças com volumes, recortes, comprimentos e modelagens diversas. Comprimentos mini garantem a jovialidade enquanto os longos ou os franzidos diferenciados brincam com uma peça que foi um marco na indústria da moda.

wrap_3

Não existe uma maneira única de usar. Mas, a forma mais fácil de potencializar o efeito do vestido envelope é combiná-lo com sapatos como o scarpin, que revelam 100% do peito dos pés e criam aquela ótima longa linha que prolonga todo o corpo. Para quebrar um pouco da possível seriedade da peça, vale investir em sandálias diferenciadas, abotinados e complementos como jaquetas ou acessórios que dão um toque mais moderno ao look.

wrap_4

Diane fez um favor ao guarda-roupa feminino quando criou o vestido envelope. Com um truque de mestre, ofereceu uma possibilidade muito charmosa e interessante às mulheres que deve ser explorada sem medo.

  • %
11 fevereiro 2014
Tudo a seu tempo

Respirar entre as vontades, suspirar entre pausas e esperas necessárias, nos ajuda a aguardar pela hora exata do ataque

wait

“Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo”. É assim que José Saramago nos lembra de respirar entre as vontades, de pensar entre os saltos e ter paciência para aguardar a hora certa de fazer cada coisa acontecer.

Vivemos na urgência do instante. Desesperados pela mudança, pelo acontecimento, pela revolução. Queremos o que acreditamos que é melhor, e queremos para ontem. Mas, a vida mostra que é preciso ter serenidade, calma e tranquilidade para esperar o instante ideal de dar o próximo passo, virar a página, abrir a porta ou fechar uma janela. É preciso prudência. Não sobrepor caminhos e decisões sem nem mesmo respirar ou entender o que está acontecendo, meramente pelo ânsia de se chegar aonde queremos chegar.

A vida pede tempo. Ela faz  manha. Quer que a gente espere, aguarde a melhor hora. Ela  faz charme e nos envolve com suas graças. E ai está – não há motivo para parar, para deixar de lado a vontade de se chegar aonde queremos chegar. Não devemos sossegar, acomodar, devemos ficar com os olhos abertos, prontos para o ataque! E daí, pronto. Não tenha pressa, mas também não perca tempo.

  • %