Conversinha Fashion » 2012 » abril
30 abril 2012
Sinal laranja

Peças e acessórios na cor laranja invadem as lojas e marcam lugar nas ruas

Quente e vibrante, a cor laranja aparece de diversas formas, seja em peças completas ou complementos. Da maneira como for, o tom ganhou força e como tendência da temporada é ideia certeira para esquentar aquelas produções mais sem graça ou mesmo quebrar um pouco do gelo de looks sem luz.

A composição mais segura sai da casa dos neutros, de maneira básica e despretenciosa. Nada mal pensar que a cor pode ser usada junto ao preto, branco, bege ou mesmo cinza. Essa última opção, por sua vez, reúne dois universos distintos, mas que podem muito bem conviver juntos. Quente e frio travam uma dispusta na qual todos saem vencedores.

O laranja pode ser combinado também no tom sobre tom, trabalhado na mistura com o amarelo ou com o vermelho, com grande facilidade. O rosa também conversa super bem com a cor aqui citada, gerando um resultado vibrante e criativo.

Reunir cores opostas no círculo cromático também é uma forma de gerar harmonia – harmonia por alto contraste. Assim, o laranja encontra no azul sua cor diretamente oposta. Vale pensar ainda na junção de tons em Y pelo círculo cromático, trabalhando com o mix laranja +  verde ou laranja + roxo.

No mais , a junção de peças 100% laranja com texturas ou estampas pode gerar uma certa poluição visual, amenizada por acessórios neutros ou mesmo pelo uso de elementos básicos para fechar o look. Se a cor gera um efeito chamativo, marcante, vale segurar na modelagem das peças complementares ou mesmo na aplicação de outros elementos de destaque.

  • %
28 abril 2012
No meu caminho…

Ser feliz por enxergar o que muitos não conseguem ver, por ter na mente esses momentos simples e especiais

No meu caminho quase que diário há uma rua, um morro, e do alto desse morro vejo o sol se despedir, se escondendo por trás de belas casas. Mais do que a celebração do fim de um dia, quase sempre bom, é uma hora especial, um presente poder ver aquela cena, aquele momento que me lembra de como há beleza na vida, muito além daquilo que o dinheiro pode comprar – aquele clássico clichê. Nesse um ano de caminho, muita coisa aconteceu e foram muitos os tons do céu, foram várias as combinações de cores, entres os rosas incríveis do inverno e os azuis do verão. Foram muitas as alterações de humor, as fases difíceis, os dias maravilhosos, mas no alto daquela rua sempre havia uma resposta, uma surpresa na beleza dos dias chuvosas, das tardes que se transformam em noites, nas madrugadas do trajeto… Muitos momentos gravados na memória. Ali, subindo aquela rua, me sinto em casa, torcendo para que não venha um carro atrás, apressando o meu momento. E alguns dias são como um capítulo de novela, um clipe, presenteada por uma música bonita no rádio, ou pela coincidência de uma música especial tocando no ipod.

São coisas simples, absurdamente simples, que te lembram do que realmente importa, muito além de bolsas caras, looks do dia, jantares em restaurantes badalados ou tudo mais… São coisas que não desaparecem com uma nova tendência, que não ficam ultrapassadas quando mudam as referências. O céu estará sempre ali, e em alguns pontos ele é incrível como deve ser, perfeito como só a natureza consegue, soberana… Ser feliz pode ser simples, pode ser admirar o que há de belo em meio a tanta coisa não tão incrível; em meio a rotina, em um cantinho escondido, um caminho que te faz sentir a mais sortuda por enxergar coisas para as quais muitos ficaram cegos e nunca, nunca, poderão ver. Ser feliz pode ser isso, ter no seu caminho um lugar especial, um ângulo que você fotografa com a mente, uma dessas coisas que lhe acalmam a alma e te lembram que a vida é sim maravilhosa como deve ser. Basta selecionar o que você quer gravar.

27 abril 2012
Desejo de compra na cultura global

Fruto da pós-modernidade, blogueiras inspiram os quatro cantos do mudo e despertam um desejo de compra possível de ser materializado

Na pós-modernidade as barreiras físicas já não existem mais, ao menos por aqueles que possuem mobilidade. Assim, é simples pensar que com as tecnologias, inseridos na rede com o advento da internet, conseguimos passear pelos mais diversos universos, que se unem nesse processo de globalização e de misturas. Prova disso são blogueiras de países distantes que influenciam nossos hábitos diários, e com incrível facilidade despertam o nosso desejo de compra. Mas não é só isso.

Se adquirir peças de marcas importadas até pouco tempo atrás era algo difícil para quem não tinha em sua rotina viagens internacionais, isso hoje não existe mais. A relação com a compra mudou com a existência de pessoas que trabalham fazendo essa ponte, ou mesmo com as lojas virtuais que entregam em todo o mundo. Fronteiras foram quebradas e isso impactou nossas vidas de uma maneira impossível de ignorar. Mais do que isso, cada vez mais pessoas vão a outros países, viajamos com mais frenquência, e os valores para tal são cada vez mais acessíveis. Globalização sentida na pele. Desejar aqui é comprar lá para depois usar por aqui ou em qualquer outro lugar do mundo! Até que a tendência seja outra e a história continue na sua forma cíclica.Já não há mais limite para influenciar, gerar desejo, modificar uma cultura e despertar a vontade de inserção. Para estar nesse ciclo basta ter poder financeiro. Para aqueles que acompanham tais movimentos do espaço, mas por alguma razão não podem participar do processo, fica aquela sensação estranha de perda e de fragilidade. O que não deveria acontecer, acontece não por culpa dos que mostram suas referências, de olimpianos da era digital que deixam sua assinatura. O que gera traumas e dificuldades é a própria pós-modernidade que na sua essência elimina fronteiras e cria espaços líquidos, que são ao mesmo tempo fáceis de ultrapassar, mas possuem barreiras que estão além do espaço e do tempo. Cabe focar nas raízes da tradição que, como um grito em meio a um tempo remodelado, com culturas cada vez mais misturadas, clamam pode algum tipo de poder, como a essência do que foi grande até pouco tempo atrás.

  • %
26 abril 2012
Criatividade no lar

A designer Anna Burke apresenta seu pequeno, mas bem distribuído, apartamento em NYC, caracterizado por cores, texturas e formas. A mistura é pop e alegre.

Móveis e espaços pensados para suprir as necessidades da moradora, seja em uma escrivaninha perfeita para trabalho ou leitura, ou mesmo aconchegante cama acompanhada por mesinha lateral.

Além disso, muito charme e feminilidade no papel de parede, nos quadros e elementos de decoração acompanhados por tradicionais móveis de madeira. Forma clara de imprimir diferenciação na decoração sem para tal quebrar o clima aconchegante tão essêncial para o lar.

  • %
24 abril 2012
Estágio, e agora?!

Chega a hora de cuidar do visual profissional e abandonar de vez certos vícios do colégio

Há aquela época da vida quando o visual depojado ao extremo, da calça jeans e da camiseta, já não cabe mais. O visual dos primeiros meses de faculdade logo dá lugar a necessidade de uma imagem um pouco menos informal, casual, quando as oportunidades de estágio se materializam.

O look para estagiário muito varia, dependendo do ambiente, da área e também da relação com superiores ou afins. É importante saber, de qualquer forma, que alguns hábitos típicos de estudantes devem, de vez, ficar para trás.

Já não cabe mais, por exemplo, o mix de calça jeans rasgada combinada a rasteirinha, ou mesmo os shorts com tênis. O lado profissional começa a falar mais alto e a mudança, ou adaptação, deve começar lá desde a hora da entrevista. Aposte em algo um pouco menos largado, jogado, mas não force a barra no grau de requinte ou formalidade.

Um estagiário não precisa entrar de cabeça no clima da alfaiataria, ou mesmo na ideia dos saltos altos, camisas de manga comprida e outros elementos super formais. Vale pensar, entender e gravar que a rotina de correria, de ônibus, caminhada e baixo salário (que mais é um auxílio) não permite grandes investimentos com as roupas. Mas, é possível focar em poucas peças que garantem o visual um pouco mais arrumadinho, que será parte da construção do seu futuro. O investimento mais pesado deve ser na dedicação e no esforço… questão de comprometimento.

Mais do que o volume, vale pensar em uma pequena quantidade de peças curinga, com o toque da jovialidade e o envolvimento de quem quer crescer. As características mais específicas vão variar, já que o universo de um estagiário de uma agência de publicidade é totalmente diferente do de um estagiário de orgão público ou escritório de advocacia. Um jeans limpo, escuro, é um bom começo; uma camisa de mangas curtas, ou um suéter, são também boas ideias. Vestidos estruturados, ou mesmo peças estampadas, também podem ser uma possibilidade… No mais, leia seus colegas de trabalho e tente, por alto, reproduzir o que considera adequado. Com o tempo você terá sua identidade visual, ou seu estilo, também para o ambiente profissional.

As imagens são do lookbook da Ecletic

  • %