Conversinha Fashion » Arquivos » Jogue fora 50 coisas
31 janeiro 2011
Jogue fora 50 coisas

Jogue fora 50 coisas não é só um livro de organização, é um livro de desapego. Reavaliar prioridades, reorganizar lugares. De acordo com a publicação são necessárias apenas duas semanas para esse exercício de libertação, porém acho que mais do que um período ou fase é interessante repensar rotina e estilo de vida para que o resultado dessa limpeza seja permanente. Acumulamos porque gostamos, porque somos carentes, porque precisamos de memórias e lembranças palpáveis; acumulamos pela sensação de poder, pela mania de colecionar itens materiais. Enquanto isso deixamos de lado sentimentos e emoções, esquecemos de olhar para o que não podemos segurar ou mesurar. Talvez por isso essa ideia de jogar fora 50 coisas (ou um outro grande volume qualquer de coisas) seja tão possível e real; se pararmos um instante para pensar veremos quantos cacarecos guardamos sem nem saber o porque.

O prazo indicado pela autora, Gail Blanke, é estimulante e serve como impulso para quem tem dificuldade em encerrar tarefas, porém pode ser algo um tanto quanto desesperador quando você descobre que não são 50 itens e sim 50 coisas diferentes uma das outras. Roupas são roupas, uma peça ou cem; revistas são revistas, duas ou trinta. E agora? Basta pensar… Quer exemplos? Canecas, fotos, canetas, cadernos, perfumes, maquiagem, bloquinhos, receitas, estojos, santos, pastas, mouse, cabos… É só olhar ao seu redor. Limpeza já!

Falamos sempre e tanto sobre desapego, lembramos com tanta frequência o quanto é importante abrir espaço físico e mental para o novo; resta aplicar isso de fato, de forma drástica. Jogar fora coisas velhas e estragadas é um ponto de partida, mas ainda é pouco; o que é difícil é abandonar aquelas coisas novas e impecáveis que não são utilizadas. A roupa que você não usou, o livro que você comprou e nunca quis ler, o aparador odioso que você esconde no fundo da gaveta. Sabe, casas lotadas são casas pesadas e complicadas de manter. A beleza do leve é incrível por ser limpa, por ser sincera e cheia de emoções. Acumular conquistas, momento de felicidade, lembranças… isso sim é incrível, muito mais interessante do que focar no exagero dos bens materiais. Vamos lá, encarando o mais difícil que é o sentir (o viver) e não o ter, o possuir.

Deixe um comentário em "Jogue fora 50 coisas"
  1. Universo Delas
    31/01/2011

    Amanda, esse título me interessou! Gosteii muito do seu texto também!
    Estou começando o meu blog e vim aqui divulgá-lo, quando puder, passar lá. Tem poucos posts mas você já começou um dia e sabe como é neh?! Logo, logo terão mais posts ótimos e nosso blog será tão lindo como o seu!
    Vai lá: http://www.universodelas.wordpress.com
    Nosso twitter: @universodelas

  2. Ai, amanda, eu super apoio, mas é tão dificil as vezes jogar aquelas coisinhas que se amontoam na sua casa. hehe
    Quando era pequena eu guardava tudo! De papel de bala até cartinha.

    Bom, se quiser participar e divulgar, estamos com um concurso fantástico no sapatos.net em que damos dois lindos pares de sapatos para os primeiros colocados. É só entrar no link e aproveitar!

    :***

  3. Manu Demonti
    03/02/2011

    To precisando fazer uma limpa aqui em casa!! Só o necessário pelo amor!!!
    Beijoca amore

  4. dossantos
    06/02/2011

    Meus livros de Stephen King, minha câmera de vídeo antiga, meus cd´s, dvd´s entre outras coisas são objetos que estão enraizados em mim dando frutos amargos de saudades doloridas, mas não quero me livrar deles.

  5. Amanda Medeiros
    27/02/2011

    ‘Universo Delas’, o começo é assim mesmo afinal ninguém começa com mil posts. rs Boa sorte e obrigado pelo carinho. Já visitei e gostei do que vi… vou voltar mais vezes no seu espaço. Bjs.

  6. Amanda Medeiros
    27/02/2011

    Dos Santos, algumas coisas são mesmo difíceis… guardo vários papeis de viagens antigas (de 10 anos atrás p mais) que nunca jogo fora e não possuem utilidade… rsrs fora livrinhos do monteiro lobato. Algumas coisas simplesmente não dá. Bjos.