Conversinha Fashion » 2010 » junho
21 junho 2010
Pólo com charme

Nas blusas pólo um clássico neutro e de fácil uso que pode, prejudicialmente, masculinizar ou neutralizar um pouco o visual. Tudo depende dos complementos e da forma com que a blusa for aplicada; caso bem utilizada ganha a força que merece como básico do guarda-roupa capaz de compor com uma ampla gama de possibilidades.

Para usar com charme e com brilho a ideia é reunir a pólo a outras peças com mensagens opostas, evitando a combinação limpa com jeans seco e pronto. Nada errado ou criminoso no mix pólo e jeans mas já que queremos algo mais trabalhado, dentro da ideia de variação, o melhor é ir para os caminhos menos óbvios.

Reunir a saias, shorts com aplicação de terceira peça ou acessório interessante já potencializa o valor da camisa pólo – principalmente quando a mesma for lisa sem detalhes. Para os modelos estampados ou com pontos diferentes na própria modelagem a brincadeira ganha mais graça, pois as características da peça já se encarregam de deixar o visual mais legal.

E se a camisa pólo pede por utilização de acessórios é muito importante tentar perceber quais não vão brigar com a gola estruturada ou mesmo com a sequência de botões. Colares quase sempre são dispensáveis, com exceção de correntinhas ou outras peças que fiquem por dentro da blusa; já os lenços devem ser amarrados de forma a encobrir plenamente a gola, evitando a confusão visual. Broches e brincos também são boas escolhas por jogarem a atenção num ponto alto do corpo sem poluir o visual.

Para a terceira peça a orientação leva lógica semelhante a dos lenços e colares. Não deixe com que a gola do casaco/cardigan/jaqueta brigue com a gola da pólo, dando preferência dessa forma as peças de gola simples e lisas para não bagunçar a imagem.

Leia mais

20 junho 2010
Anéis e seus efeitos nas mãos

Mãos estão sempre em evidência, em todos os campos da vida pessoal e profissional. Com elas gesticulamos, damos ênfase a certos pontos, minimizamos outros e orientamos caminhos e sentimentos. Com função de  acessório os anéis entram como objeto decorativo direto, atuando em conjunto com unhas coloridas ou demais complementos. Determinar ou observar as características de suas mãos e dedos auxilia no processo de descobrir qual tipo de anel mais lhe valoriza; alheia às características da silhueta as mãos podem ter uma total discrepância quanto ao conjunto geral do corpo, sendo necessário forçar um certo equilíbrio.

Para dedos finos e longos opte por anéis grandes e preenchidos, principalmente quando caracterizados por formas geométricas. Para dedos curtos anéis de linhas finas e pontiagudas, apontando sempre para fora das mãos. Em dedos cheios, quase sempre também curtos, evitar os anéis grosseiros ou pesados que podem fazer as mãos sumirem; aposte em vazados ou alianças, mesmo utilizadas em sucessão. Nas mãos neutras, sem discrepâncias, vale deixar fluir a vontade do momento trabalhando o conjunto da imagem e não apenas a característica de um membro isolado.

Além disso têm-se que cada tipo de anel transmite uma determinada mensagem. Nas alianças, finas e delicadas, um romantismo eminente, com ou sem aplicação de pedrarias; nos modelos grandes e chapados, com linhas geométricas, uma personalidade um pouco mais forte e marcante;  para linhas orgânicas, sinuosas, leveza e modernidade no gosto pessoal; nas misturas de materiais, reunindo pedras, metais e outros, leve ostentação para alguém que provavelmente guarda uma forte personalidade.

No mais algumas outras considerações que entram como úteis não apenas para os anéis, mas também para os demais acessórios.

– Ao usar anéis marcantes cuidado com detalhes chamativos nos punhos de camisas ou blusas de manga comprida; o mesmo vale na utilização de pulseiras marcantes.

– Não deixe que o anel brigue com possíveis pulseiras; em caso de dois acessórios pesados divida o peso visual, aplicando um em cada lado do corpo.

– Cuide da harmonia entre os acessórios; todos, do conjunto, devem carregar uma mesma mensagem ou tema – o que pode ser percebido pelo material utilizado.

– Atenção para o cuidado com as unhas que passam a chamar mais atenção ao terem um foco aplicado nas mãos; o mesmo vale para cuidados gerais, como hidratação e afins.

– Busque harmonia entre as características visuais de seu rosto e acessórios, reunindo e aplicando texturas e volumes semelhantes entre complementos gerais e linhas naturais.

Leia mais

19 junho 2010
Pois então…

A luta das mulheres pela liberdade, pela voz forte e pelo respeito profissional pode estar gerando um efeito um tanto quanto preocupante no grupo feminino. Discussões desnecessárias, brigas, desentendimentos por motivos mínimos geram ataques repletos de ofensas entre aquelas que teoricamente deveriam se defender e se unir. Em festas uma fila para banheiro, um olhar atravessado no reflexo do espelho ou mesmo um incidente totalmente justificável abrem a porta para alfinetadas intermináveis que sempre acabam no tópico mais crítico: homens. A disputa por atenção, a vontade de ser notado, talvez tenha feito com que as mulheres percam um pouco de sua delicadeza mais profunda brotando ou fortalecendo o enbate de egos já tão comum no clube das luluzinhas. A concorrência é árdua no campo sentimental, mas não para por ai; ao se destacar, profissionalmente, ou mesmo pelas escolhas visuais tem-se um drama que exclui o sexo oposto em momentos onde os reais culpados da confusão são os próprios homens. O que aconteceu com as mulheres? Fomos sempre assim, explosivas, ou tudo está piorando com o passar do tempo?! Se antes a gritaria tinha voz grave e forte, se o empurra empurra era gerado por braços musculosos, hoje na cena o que se vê de forma lamentável são gritos estéricos e finos, cabelos agitados no ar e unhadas afiadas servindo de teatro para o público que nada entende e até mesmo acha graça. Acalmar os ânimos é preciso para que não sejamos isoladas dentro do contexto, oprimidas de um lado e acuadas de outro.

  • %
17 junho 2010
Numa frase…

  • %
16 junho 2010
Vixi, manchou!

Acidentes acontecem e manchas aparecem, ora de surpresa, ora em drásticos momentos de descuido ou desastre. Mandar a peça para a lavanderia pode ser a melhor opção, mas muitas vezes a solução caseira apresenta ótimos resultados – evitando um gasto extra.

Não se desespere. Mantenha sempre por perto um bom removedor de manchas gosto do poder do rosa, Vanish… acho milagroso e evite ao máximo esfregar a mancha com papel ou pano na tentativa de fazer sumir aquele borrão. Esfregar, friccionar ou mexer demais só vai piorar o probleminha. Evite também, na maioria dos casos, a utilização de água quente que pode fazer o borrão grudar de vez na roupa.

Chiclete. Faça uso do truque do gelo e congele a goma de mascar, seja nos cabelos, sapatos ou roupas; depois de duro o chiclete fica fácil de puxar, perdendo a cola. Isso pode ser feito com uma pedrinha de gelo ou colocando a roupa dentro do congelador, sempre dentro de um saco plástico para que o tecido não fique colado nas paredes.

Óleo. Detergente se mostra útil para remoção de manchas novas, mas use apenas os neutros (sem cor). Aplique, esfregue, aguarde um pouquinho e remova. Outra opção é o talco que tecnicamente chupa a mancha, principalmente se a mesma for nova; vale usar ainda uma folha de papel absorvente que tem o mesmo efeito sem fazer sujeira.

Batom. Coloque bicarbonato de sódio no tecido levemente molhado, esfregue e lave; o álcool também pode funcionar dependendo da composição do batom.

Café. Tente limpar o mais rápido possível, passando água ou mesmo sugando o líquido com papel absorvente; assim que possível passe glicerina e deixe agir durante um tempo, lavando normalmente depois.

Vinho. Para vinho tinto coloque um pouco de vinho branco na mancha após remover o excesso com papel absorvente; outra opção, mais chata, é lavar aos pouco com sabão em pó deixando de molho e esfregando nos intervalos.

Caneca. Basta aplicar álcool líquido, sugar com papel, lavar e pronto.

Desodorante. Troque de desodorante, claro, e remova a mancha com a mistura de água com bicarbonato de sódio que deve agir um pouquinho e depois ser enxaguado.

Observação. Se for utilizar água quente para tirar uma mancha, que estiver reagindo com algum outro produto, procure não deixar a roupa secar com a água quente; um choque térmico com uma torcidinha básica quebra o processo e faz com que o líquido ‘sujo’ saia antes da peça secar e ficar manchada por inteiro.

Existem outras alternativas mais drásticas para remover manchas, porém considero tudo muito pesado um pouco arriscado. Cada mancha pede um produto, mas o mesmo pode variar de acordo com a composição do tecido. De que adianta remover a mancha e a cor ir embora junto? Ou então encolher a peça? Lavanderia já (!) se a opção caseira não der certo.

  • %