Conversinha Fashion » 2009 » setembro
29 setembro 2009
Tem que ter Pé no Chão

Sapatilha_1

Muito calor pede sapato leve e assim as rasteirinhas surgem como opção perfeita. Seria ótimo se elas pudessem ser usadas durante todo nosso dia-a-dia mas em algumas ocasiões, como no ambiente profissional, as mesmas devem ser evitadas.

Os cuidados a serem tomados com o uso dessa calçado são poucos, nada complicado e começam logo nos detalhes onde unhas bonitinhas são essenciais, além de calcanhares bem cuidados. Para a construção de um visual mais arrumadinho o modelo de rasteirinha deve ser metalizado ou mesmo pode carregar aplicações de pedrarias ou coisas do tipo; os solados escuros tendem a ser também mais elegantes, sendo que os clarinhos caminham pelo lado contrário. Nas tiras delicadas estão opções mais femininas e as grossas e pesadas tendem a deixar o visual mais esportivo.

Sapatilha_2

Para as mulheres de baixa estatura, que querem alongar a silhueta, fica ótimo usar comprimentos extremos com rasteirinha (ou longo ou mini); para as super altas a peça é indicação certeira, pois garante a feminilidade sem esticar o corpo demais. Outra questão importante a se pensar é a da proporcionalidade; rasteirinhas muito levinhas e delicadas ficam melhores nas mulheres menores ou de pernas mais finas…. já mulheres mais voluptuosas, ou de coxas grossas, devem preferir algo um pouco mais marcante.

Por fim, apenas uma observação: muito cuidado com esse tipo de peça pra fazer longas caminhadas pois com o uso excessivo a tira que fica entre os dedos pode soltar e te deixar em situação complicada. Para tal confira de tempos em tempos se o calçado ainda está bacana pro uso.

A Arezzo, como sempre, está com uns modelos lindos de rasteirinha para o verão. Indico a do laço metalizado, que possui opção de cores, e acho que é interessante o suficiente para segurar vários tipos de roupas sem desvalorizar o visual.

29 setembro 2009
A Tal Modelagem Larguinha

Cinturinha_3

Batinhas, blusinhas, vestidinhos amplos e peças de modelagem alargada tendem a deixar a gente mais cheinha, principalmente se já estivermos carregando alguns bons quilinhos extras. Se faz super importante marcar, ou mesmo acinturar, algum pedaço do corpo para que as linhas fiquem menos ‘balaozinho’ e mais bonitinho – daquele tipo soltinho gostoso.

Passeando pelo lookbook da Cantão vemos uma mar de referências do que pode ser feito com roupas de modelagem aberta – exatamente aquelas que as vezes compramos nas lojas e não sabemos como usar.

Cinturinha_2

Peças caracterizadas por modelagem quadrada, que desce reta da região do tronco até a região do quadril, podem ser acinturadas com cintos (truque velho mas inesquecível) ou mesmo com outras peças em efeito de sobreposição; vale ainda pensar em tiras de tecido que podem ser amarradas feito faixas, cuidando apenas pra não ficar muito apertado.

A ideia não é deixar a roupa grudada na pele mas sim marcar levemente as linhas do corpo, simulando uma silhueta harmoniosa e sensual. Acinturar delicadamente uma peça é uma ótima forma de elaborar um efeito blusê que serve muito bem para disfarçar barriguinha ou mesmo gordurinhas laterais que se confundem ao tecido.

Cinturinha_1

Agora, observe. Existem por ai muitos cintos de elástico, daqueles que ficam bem justinhos ao corpo; eles são práticos, fáceis de regular e ficam lindos nas modelos… mas nós, mulheres reais, temos que lembrar que uma elástico apertado demais pode fazer saltar dois pneuzinhos horríveis que dão um efeito bem estranho ao look. Mas e ai, o que fazer?! Buscar pelos modelos não mega justos ou mesmo evitar, ficando com os estruturados de couro ou outros materiais que não precisam ficar grudados ao corpo pra funcionar bem.

Cintos ou faixas jogadas no quadril ou mesmo soltinhos na altura da cintura também são interessantes, principalmente no caso dos vestidos; um comprimento mini numa peça alargada surge como uma forma sensual mas discreta de se revelar um pouco mais de corpo e sensualidade.

Namorando os catálogos e as composições criadas pelas marcas podemos encontrar formas as vezes óbvias, outras vezes ousadas, de se deixar as peças mais usáveis e mais bacanas… sabendo que existem receitas mil para se valorizar uma silhueta sem precisar mudar todo seu guarda-roupa de estação em estação.

27 setembro 2009
Reposicionamento Visual

Adequação_1

Mudanças de emprego ou mesmo novas ambições profissionais devem vir juntas a uma análise de seu visual. Sua imagem está compatível com o salário/cargo que você almeja?! Sua imagem faz jus a todo seu potencial?! É como diz o ditado “vista-se para o emprego que você quer ter” e isso funciona.

Sabemos que somos permanentemente julgados pelo nosso visual e uma pessoa que quer ser levada a sério, ou mesmo que quer ser reconhecida dentro de seu meio, precisa fazer com que seu ‘pacote’ acompanhe seus objetivos. Não entenda imagem apenas como roupa, mas sim como um conjunto de fatores e questões que são extremamente importantes no trabalho. Higiene pessoal, organização de seu espaço, entonação da voz, pontualidade, histórico… não é apenas a formação que conta e por isso não basta estudar nas melhores escolas e ter altíssimas médias para alcançar seus objetivos.

Ao sair em busca de novos desafios faça uma análise fria de toda a sua vida. Pense sobre seu passado, busque compreender o presente e molde um futuro que lhe agrade. É claro que não temos controle sobre o que vai nos acontecer daqui três, cinco ou dez anos mas podemos muito bem nos direcionar… e se somos tranquilos e pacientes o bastante para ler as estrelinhas saberemos exatamente qual o momento de mudar de direção, ir mais rápido ou mesmo mudar o foco.

Todo e qualquer reposicionamento profissional deve ter em sua base uma análise plena de seu visual, investindo em você de maneira completa e intensa.

Em O Diabo Veste Prada a nossa querida Andy percebeu a importância da mudança visual e se adaptou as regras… experiência válida para ela que soube exatamente a hora de seguir em frente, em busca de novos desafios.

25 setembro 2009
Questão de Elegância

Silêncio

Hoje fui ao ‘Salto em Negócios’, evento de BH direcionado as mulheres empreendedoras. Muito bacana a iniciativa e eu nunca havia participado. Não consegui pegar nada de muito prático hoje pois cheguei logo na hora da segunda palestra afinal esses eventos de horário integral, durante a semana, são complicados… mas já foi suficiente pra fazer muitas observações que saíram da junção entre a palestra da Consultora de Imagem Silvana Lages e as palavras de Glória Kalil, que dispensa apresentações.

Ambas falaram sobre a questão da moda ligada a estilo, imagem, elegância, marketing pessoal, atitude… enfim, coisas que sempre conversamos por aqui. Era como se fosse o básico, o nosso preto com branco incluindo tópicos como higiene pessoal, saber escutar, desligar o celular… Mas, adivinhem?! Celulares tocando o tempo inteiro na plateia, sem contar as conversinhas paralelas desagradáveis e os comentários maldosos sobre a roupa das palestrantes. Tipo, oi?! Gosto é gosto mas eu quase me atraquei, mentalmente, com a garota da frente. Ninguém precisa gostar do look de ninguém… mas é legal saber esperar o momento adequado pra fazer os comentários básicos com suas amigas.

Toda essa história pra lembrar o seguinte. Quem quer ser chique, elegante, bem sucedido ou mesmo respeitado por sua simpatia deve, sempre, seguir as regrinhas básicas do bom comportamento, que são coisinhas aparentemente pequenas que fazem um enorme estrago na sua vida profissional e pessoal. Elegante não é a mulher que veste roupas caras, jóias, que tem um carro bacana ou que carrega uma bolsa Prada… elegante é a mulher discreta, conversada, simpática que sabe a hora de sorrir mas também sabe a hora de escutar. A palestra está chata?! Aguarde, não saia no meio da fala de uma pessoa que muito se preparou para estar ali. Quer uma foto com a Glória?! Não grite no meio da palestra. E, para finalizar, elogios demais também podem ser deselegantes quando ficam, obviamente, forçados.

De nada adianta cuidar apenas da embalagem…

23 setembro 2009
Trabalhada na Entrevista de Emprego

Entrevista

Entrevistas de emprego são sempre tensas. Perguntas capciosas, olhares críticos, análises nos mínimos detalhes e as roupas, obviamente, não passam batido nesse processo de seleção. Cada candidato é estudado a partir do primeiro olhar, ou mesmo antes dele já que é cada vez mais comum empresas vasculharem a internet em busca de qualquer vestígio ou pista sobre o perfil de cada nome que consta na lista de entrevistados. O primeiro cuidado deve estar ai, no que você revela no seu twitter, orkut, facebook ou blog… mas, bem além disso, está a imbatível preocupação quanto ao que vestir nesse momento tão importante de sua vida.

Para as mulheres alguns cuidados são básicos e primordiais. Não coloque seu corpo como ferramenta ou instrumento de atenção, pois isso desvia o foco de seus conhecimentos e joga ele na sua sensualidade ou beleza sendo que depois não vale reclamar ou chorar quando levar cantada do chefe; por tal razão vale o eterno cuidado de evitar decotes, roupas justas, transparências ou mesmo acessórios exageradamente dramáticos.

JobIn_1

É importante trabalhar com formas limpas e clássicas, em peças de alta qualidade que acabam por remeter a qualidade de serviço e conhecimento. É aquela velha história… uma mesa bem organizada confere mais confiança do que uma sala de trabalho suja, mal iluminada e bagunçada; entenda sua imagem como uma extensão de seu perfil profissional.

Trabalhar com os clássicos pode ser uma saída segura, mas é bom e recomendável revelar um pouco de sua personalidade através de suas vestimentas; não tenha medo de cores ou mesmo de discretas estampas, contando ali um pouco sobre quem é você como pessoa. O uso óbvio da cor preta pode ser um tanto quanto monótono e atualmente é bem comum empresas buscarem por perfis criativos e despojados, de forma corajosa, para ocuparem seus melhores cargos.

Também não se atenha ao terninho completo; misturar texturas ou conjuntinhos prontos funciona e garante seu cartão de visita. No entanto, ousadia possui limite e não é muito indicado fazer uso de jeans, tênis, maquiagem extrema ou muito perfume; cuide muito da limpeza de seus sapatos, da qualidade de sua bolsa, da sua higiene pessoal e saiba que sua roupa não será a responsável pela sua contratação mas ela pode, muito bem, ser a causa de um doloroso e intragável ‘não’. A mistura de preparo profissional, adequação ao cargo, conhecimentos pertinentes e um visual coeso é a receita certa para todo sucesso.

As roupas apresentadas são parte do lookbook da Huis Clos, com alta qualidade, tons leves e envolventes e cortes elegantes e femininos, sem precisar apelar para a sensualidade em um ambiente que clama por discrição.